jueves, septiembre 07, 2006

12. Alfabetización y Cultura escrita (en portugués)

12. Alfabetización y Cultura escrita
"Novaescola"
Edição Nº 162
Maio de 2003


Desde os anos 1980, não é possível tratar de alfabetização sem falar de Emilia Ferreiro. A psicolingüista argentina, discípula de Jean Piaget, revolucionou o conhecimento que se tinha sobre a aquisição da leitura e da escrita quando lançou, com Ana Teberosky, o livro Psicogênese da Língua Escrita, em que descreve os estágios pelos quais as crianças passam até compreender o ler e o escrever. Crítica ferrenha da cartilha, ela defende que os alunos, ainda analfabetos, devem ter contato com diversos tipos de texto. Passadas mais de duas décadas, o tema permanece no centro dos interesses da pesquisadora, que se indigna com quem defende o método fônico de alfabetização, baseado em exercícios para treinar a correspondência entre grafemas e fonemas. Professora do Centro de Investigação e Estudos Avançados do Instituto Politécnico Nacional, do México, Emilia está à frente do site www.chicosyescritores.org, em que estudantes escrevem em parceria com autores renomados e publicam os próprios textos. Ela esteve em São Paulo em março e concedeu a seguinte entrevista.

"Quem alfabetiza com textos variados prepara melhor para a internet"

O que é ser alfabetizado hoje?

Considero a alfabetização não um estado, mas um processo. Ele tem início bem cedo e não termina nunca. Nós não somos igualmente alfabetizados para qualquer situação de uso da língua escrita. Temos mais facilidade para ler determinados textos e evitamos outros. O conceito também muda de acordo com as épocas, as culturas e a chegada da tecnologia.

A senhora sustenta a importância de levar o estudante a refletir sobre a escrita, já que é assim que ele aprende. Qual sua opinião sobre o método fônico (baseado no treinamento prévio da correspondência entre grafemas e fonemas)?

Eu não aceito discutir alfabetização hoje nos mesmos termos que se discutia nos anos 1920. Os defensores do método fônico não levam em conta um dado que sabemos hoje ser fundamental, que é o nível de conscientização da criança sobre a escrita. Ignorar que ela pensa e tem condições de escrever desde muito cedo é um retrocesso. Eu não admito que a proíbam de escrever. A tradição fônica sempre foi dominante nos países anglo-saxões. E lá se aprende a ler antes de escrever. Felizmente não é o que acontece nos países latinos.

O que é essa consciência fonológica?

É a possibilidade de fazer voluntariamente certas operações com a oralidade que não são espontâneas. É possível dizer uma palavra, "lado", por exemplo, e depois omitir o primeiro segmento fônico. "Ado" não significa nada. Isso pode ser um jogo divertido. A língua tem a propriedade de ser partida em unidades de distintos tipos até chegar às letras. Aí não posso dividir mais. Essa é uma habilidade humana. A divisão em sílabas se dá praticamente em todas as culturas.

"Ignorar que a criança pensa e tem condições de escrever desde muito cedo é um retrocesso"

De que maneira se adquire a consciência fonológica?

Desde pequenos participamos naturalmente de jogos em que cada sílaba corresponde a uma palma, por exemplo. A única divisão que não surge naturalmente no desenvolvimento é em unidades menores que uma sílaba, ou seja, em fonemas. Um adulto analfabeto e uma criança analfabeta não conseguem fazer isso de maneira espontânea. Quando eu adquiro a linguagem oral, tenho uma certa capacidade de distinção fônica, senão não distinguiria pata de bata. Mas parece que isso funciona num universo completamente inconsciente.

O que vem primeiro, a aquisição do sistema alfabético ou a consciência fonológica?

À medida que a criança se aproxima da escrita alfabética, sua capacidade de análise do oral também permite análises de pedaços cada vez menores do que é falado. A discussão é a seguinte: já que as duas coisas ocorrem ao mesmo tempo, tenho de desenvolver primeiro a consciência fonológica esperando que ela se aplique à escrita? Ou posso introduzir o aluno na escrita para que haja uma contribuição à sua consciência fonológica? Acredito na segunda opção. Isso se dá em virtude do contato dele com os textos, do seu esforço para escrever e do trabalho em pequenos grupos, onde ele discute com os colegas a necessidade de utilizar determinadas letras.

Essa relação entre a consciência fonológica e a aquisição do sistema alfabético tem sido estudada por pesquisadores?

Publiquei um artigo em 1999 sobre um estudo realizado com crianças com média de idade de 5 anos e 7 meses, no México. Eram passadas tarefas que verificavam a consciência fonológica dos estudantes, isto é, se eles eram capazes de analisar palavras em pedaços menores que sílabas. Ao mesmo tempo, eles realizavam exercícios que investigavam seu nível de conceituação da escrita. As crianças eram da pré-escola e não estavam sendo alfabetizadas. Os resultados mostraram correlações altíssimas entre o nível de conscientização da escrita e os recortes em contextos orais. Duas pesquisadoras americanas acabaram de publicar um estudo com crianças inglesas em que as mesmas conclusões são apresentadas.

Com a internet, o perfil do leitor mudou. No contato com a rede, há alguma diferença no desempenho dos estudantes alfabetizados nessas duas metodologias?

Sempre defendi o acesso imediato da criança a jornais, revistas, livros de literatura, dicionários, enciclopédias. A tendência de quem não compartilha da minha opinião é ter livros com níveis de dificuldades seriados. Com o advento da internet nasceu também o espaço mais intertextual e mais variado que existe, mais até que uma biblioteca. Ou seja, quem está alfabetizando com textos variados prepara sua turma muitíssimo mais para a internet do que quem faz um trabalho mostrando primeiro uma letrinha e depois a outra. Para utilizar o computador e a internet é preciso enfrentar todo o alfabeto ao mesmo tempo. No teclado, as letras aparecem juntas — e, como se não bastasse, fora de ordem.

"Letramento no lugar de alfabetização, tudo bem. A coexistência dos dois termos é que não funciona"

Além da alfabetização, hoje se fala muito em letramento. De onde vem o termo?

A palavra letramento é tradução de literacy. Em sua origem, ela significa alfabetização e muito mais. Se entrarmos em qualquer site de busca e digitarmos "literacy" aparecem muitos endereços. Encontra-se uma série de combinações com esse termo, como computer literacy, mostrando que o significado atual dessa palavra em inglês é expertise, é ter conhecimento. Mas é muito importante compreender que a expressão computer literacy não designa a habilidade de usar a língua escrita por meio de um computador. Seu significado é a habilidade para usar os comandos da máquina, para entrar num processador de texto e nos programas elementares.

Letramento é a melhor tradução para literacy?

Não. É cultura escrita. E isso não tem início depois da aprendizagem do código. Se dá, por exemplo, no momento em que um adulto lê em voz alta para uma criança — e nas famílias de classe média isso ocorre muito antes do início da escolaridade. Ou seja, o processo de alfabetização é desencadeado com o acesso à cultura escrita.

O letramento representa um conceito novo ou é apenas um modismo?

Há algum tempo, descobriram no Brasil que se podia usar a expressão letramento. E o que aconteceu com a alfabetização? Virou sinônimo de decodificação. Letramento passou a ser o estar em contato com distintos tipos de texto, o compreender o que se lê. Isso é um retrocesso. Eu me nego a aceitar um período de decodificação prévio àquele em que se passa a perceber a função social do texto. Acreditar nisso é dar razão à velha consciência fonológica.

É indispensável usar o termo letramento, então?

Eu não uso a palavra letramento. Se houvesse uma votação e ficasse decidido que preferimos usar letramento em vez de alfabetização, tudo bem. A coexistência dos termos é que não dá.

TOMADO DE LA "NOVA ESCOLA ON-LINE"



Quinta-feira, 31 de março de 2003

Emília Ferreiro: “Números também são importantes na alfabetização”
Cristiane Marangon

Nos primeiros contatos da criança com a escrita, elas ainda não diferenciam números e letras. Para elas, ambos fazem parte do universo gráfico que ela começa a descobrir. Afinal, são sinais presentes em seu cotidiano. Atualmente, a pesquisadora argentina Emília Ferreiro investiga como essa relação acontece na cabeça dos pequenos. Em um seminário em São Paulo no último sábado, promovido pelo Centro de Estudos da Escola da Vila, ela falou sobre o assunto a cerca de 400 educadores.

A idéia de que letras são para ser lidas e números para ser contados é comum entre os alfabetizadores. Emília explica que geralmente as crianças conhecem bem os algarismos de 0 a 9, embora composições mais complexas seja identificadas em seu dia-a-dia, como, por exemplo, os números de telefone. Ela descobriu que a inversão ocorre com mais freqüência quando a criança quer representar números de dois dígitos. Ou seja: ela relaciona o número 2 ao 20, o 3 ao 30, mas ao grafar, por exemplo, 25 ou 36, os primeiros algarismos aparecem de forma espelhada. “O raciocínio é perfeito e demonstra uma maneira inteligente de grafar um conhecimento que ainda não domina”, ressalta a pesquisadora.

A pedagoga Eliane Mingues, conta que durante muito tempo viu crianças escrevendo os números invertidos, mas não imaginava que isso tivesse algum significado. “Emilia Ferreiro mostra a intencionalidade e a inteligência dessa representação, afirma a pedagoga Eliane Mingues, presente ao seminário.

Letramento e alfabetização

A pesquisadora fez ainda questão de desfazer uma dúvida comum entre os educadores brasileiros. Para alguns, alfabetização significa apenas o conhecimento de sinais gráficos, sendo letramento associado a todo o restante do processo. “Não existe essa separação”, alerta. Ela explica que alfabetização é a entrada no mundo letrado e que isso deve ocorrer pelo contato do aluno com os textos escritos e usados no dia-a-dia de qualquer pessoa.
Para Regina Scarpa, coordenadora do Centro de Educação e Documentação para a Ação Comunitária e do Instituto Avisa Lá, a preocupação com o assunto é pertinente. “É triste ver que todos esses anos de discussão não foram suficientes para que a alfabetização fosse reconceitualizada. Ela não pode mais ser vista apenas como a aprendizagem de um código.”
Emilia Ferreiro destacou ainda a importância da tecnologia no processo de alfabetização: “Em vez de encarar o computador como invasor, devemos reconhecê-lo como um aliado e incorporá-lo à nossa prática”. O site (www.chicosyescritores.org), do qual é uma das idealizadoras, mostra o que pode ser feito com os textos dos alunos utilizando-se a internet. Ele é destinado a crianças de quatro a 12 anos de idade. Apesar de escrito em espanhol, armazena textos de alguns brasileirinhos.

TOMADO DE "NOVA ESCOLA ON-LINE"

0 comentarios:

Find us on Facebook

Visitas:

Google+ Followers